domingo, 22 de abril de 2007

Still Struggling for Independence: elections in Timor Leste - by TIm Anderson

Still Struggling for Independence: elections in Timor Leste
By Tim Anderson


‘Independence is not an end, it is the beginning of self rule’ – Kofi Anan, May 2002


Australian representations of elections in Timor Leste have reflected the wishful thinking of an elite. Media coverage of the Presidential elections focused almost exclusively on the pro-Australian candidate, Jose Ramos Horta, and commentaries over a future government keenly search for a Xanana-led coalition that might upset the currently Fretilin dominated parliament.

The fact that Francisco (‘Lu Olo’) Guterres, the man who won the first Presidential round, was not seriously profiled by any Australian media outlet should give us pause to reflect on the quality of information provided. To win the first round while opposed by the incumbent President, the incumbent Prime Minster, the hierarchy of the Catholic Church and the Australian elite is quite an achievement. It shows that Fretilin as a force for independence still resonates strongly with the East Timorese people.

There was a great deal of media speculation over possible election fraud, pointing a finger at Fretilin. This was remarkable given the high level of international observers and the open anti-Fretilin bias of the electoral authority. Electoral chief and Catholic Church representative Martinho Gusmao publicly endorsed opposition leader Fernando Araujo before the election, then made a false claim that votes in pro-Fretilin Baucau were massively over-subscribed. European Union observers contradicted him.

What of Lu Olo? He was a guerilla leader for the entire resistance period, Speaker of Parliament for over five years and remains a loyal member of Fretilin. Mari Alkatiri, the former Prime Minister reviled by the Australian media, is still General Secretary of the party. So while the coup attempt and foreign intervention have undoubtedly shaken confidence in Fretilin, the first round has demonstrated that no other party in Timor Leste has anything close to its support.

Recall that an alliance of sorts was formed at the time of the first Presidential election of April 2002, where Fretilin agreed to support Xanana Gusmao, provided that he ran as an independent. Xanana’s only opposition was Francisco Xavier do Amaral from the ASDT (Timorese Social Democratic Association). Fretilin had already gained an outright majority in the August 2001 elections for a constituent assembly, which went on to become the nation’s first parliament.

Prior to the 2006 crisis, a major political achievement was the effective combination of the strategic vision of Alkatiri’s Fretilin, the charisma of Xanana and the diplomacy of Ramos Horta. Despite a tiny budget (increasing in 2007, with oil revenue) they began the institutions of a modern state, expanded education, rehabilitated their rice fields, developed a major health program and clawed back several billion dollars in oil and gas revenue from the Howard Government.

Alkatiri attracted most Australian hostility, particularly over the protracted oil and gas talks. Ramos Horta was the weak link. I have detailed elsewhere (Timor Leste: the Second Australian Intervention) how he attempted three compromises, all of which would have pleased Howard and Downer but resulted in less revenue for his country. Little wonder he emerged as the Australian favorite.

Xanana maintained an aloofness from party politics, a stance which aided his major political project of reconciliation. He forgave the Indonesian generals (despite a lack of repentance on their side) and attempted to reintegrate former militia members into local communities.

However this aloofness evaporated in the crisis, as Xanana indirectly supported coup leader Alfredo Reinado and bitterly attacked Fretilin. As President he demanded the resignation of Mari Alkatiri, using a video copy of a notorious ABC program which had relied on the word of one of Reinado’s allies to accuse Alkatiri of arming a ‘hit squad’ to kill his political opponents, and of having already murdered a number of them. A UN investigation into the crisis (‘Report of the United Nations Independent Special Commission of Inquiry for Timor-Leste’) later discredited this story.

The Australian media, however, clings to the ‘hit squad’ theory, gaining some comfort from the conviction of Alkatiri ally and former Interior Minister Rogerio Lobato for the offence of distributing police weapons to civilians. Lobato, appealing his conviction, maintains these acts were justified during a coup attempt, when the police force had disintegrated.

With coup leader Reinado still at large, but apparently no longer considered a political asset or a threat by either Xanana or the Australians, the politics of Timor Leste seem to have returned to a somewhat more ‘normal’ footing. But it is a political process badly damaged by violence, dislocation and mistrust.

Ramos Horta may still win the Presidency from Lu Olo in the second round. However this depends more on voter perceptions than on the small opposition parties’ ability to deliver ‘blocs’ of votes, as in a more class-based party system. Ramos Horta has international recognition but Lu Olo is the ‘grassroots’ candidate. Many of the epithets thrown at Mari Alkatiri - that he was arrogant and an exile during the struggle - now apply to Ramos Horta, not Lu Olo. In any case, a Ramos Horta Presidency would not be a major barrier to a Fretilin-led Government. East Timorese are used to having a figurehead, non-Fretilin President, and a Fretilin Government.

Xanana Gusmao’s descent from the Presidency to party politics is a far more uncertain path. His role in the crisis and his open anti-Fretilin hostility has damaged his own standing, as well as that of Fretilin. After his passive support for the coup, much of the army leadership will not trust him. His attempt to recreate a ‘CNRT’ coalition, using the initials of the earlier coalition which included Fretilin, is a gamble which depends upon cobbling together a number of small parties whose only common theme is opposition to Fretilin.

On the other side, Fretilin will have suffered from their apparent inability to guarantee stability and the persistent attempts to blame the government for the coup. Fretilin may not be able to regain the outright parliamentary majority it has held since 2001. On the other hand, the Presidential first round tells us Fretilin is still the major political force in the country. Its vote could still exceed 40% in the parliamentary elections. The competition would then be between a Fretilin-led coalition and a less coherent Xanana-led coalition.

Personalities apart, neither Xanana nor Ramos Horta offer much of a strategic alternative to Fretilin. Of course, both participated in many of the Fretilin-led Government’s campaigns, including those which sought to bring in new development partners (e.g. China for oil and gas and Cuba for health). Some differences have emerged. Ramos Horta has said he favours ‘greater privileges’ for foreign investors, and recently proposed a radical reduction in business taxes and tariffs. This would, however, increase government reliance on oil and gas revenues. Xanana’s one recent suggestion has been to break the controlled release of revenue from the Petroleum Fund. So the main policy departure of a Ramos Horta-Xanana-led coalition would seem to be spending up the oil wealth faster.

Fretilin, for its part, has an experienced group of Ministers, including Deputy Prime Minister Estanislau da Silva, several senior women ministers including Maria Boavida and Ana Pessoa, a strong party machine, widespead membership and has shown its skills in coalition building. Even with an absolute parliamentary majority, Fretilin recruited independent MPs, such as Health Minister (now Deputy PM) Rui Araujo, Finance Minister Fernanda Borges, Education Minister Armindo Maia, Labor Minister Arsénio Bano and Foreign Minister Jose Ramos Horta into the Government.

A Fretilin-led coalition government thus seems a more likely outcome of the coming parliamentary elections than a Xanana-led coalition. The return of Mari Alkatiri as Prime Minister is also possible. Just how the constellation of forces that deposed Alkatiri would react to this is not clear. Expectations have been raised by the intervention and anti-Fretilin push. In particular, it seems unlikely that Xanana imagines he is trading in his Presidency to become opposition leader.

1 comments:

Margarida disse...

Tradução:

Eleições em Timor-Leste: Ainda a lutarem pela Independência - por TIm Anderson
Eleições em Timor-Leste: Ainda a lutarem pela independência
Por Tim Anderson

‘A independência não é um fim, é o começo da autonomia’ – Kofi Anan, Maio 2002

Representações Australianas nas eleições em Timor-Leste reflectiram os desejos de uma elite. A cobertura das eleições Presidenciais pelos media focou-se quase exclusivamente no candidato pró-Australiano, José Ramos Horta, e em comentários sobre um futuro governo entusiasticamente procurado para uma coligação liderada por Xanana que possa derrubar o corrente parlamento dominado pela Fretili.

O facto de não ter sido traçado a sério o perfil de Francisco (‘Lu Olo’) Guterres, o homem que ganhou a primeira volta das Presidenciais, por nenhum media Australiano devia-nos levar a fazer uma pausa para reflectirmos sobre a qualidade da informação que divulgámos. Ganhar a primeira volta quando tinha como opositor o actual Presidente, o actual Primeiro-Ministro, a hierarquia da igreja católica e a elite Australiana é um grande feito. Mostra que a Fretilin enquanto força para a independência ainda ressoa com muita força no povo Timorense.

Houve bastante especulação nos media sobre possíveis fraudes eleitorais, apontando dedos à Fretilin. Isto foi extraordinário dado o alto nível dos observadores internacionais e a aberta parcialidade anti-Fretilin da autoridade eleitoral. O chefe eleitoral e representante da igreja católica Martinho Gusmão endossou publicamente o líder da oposição Fernando Araújo antes das eleições, depois fez a falsa afirmação de que a votação em Baucau pró-Fretilin tinha sido massivamente sobre-estimada. Observadores da União Europeia desmentiram-no.

Mas quem é Lu Olo? Foi um líder da guerrilha durante todo o periodo da resistência, Presidente do Parlamento durante mais de cinco anos e mantém-se como um leal membro da Fretilin. Mari Alkatiri, o antigo Primeiro-Ministro ultrajado pelos media Australianos, é ainda Secretário-Geral do partido. Assim, enquanto a tentativa de golpe de Estado e a intervenção estrangeira sem dúvida abanaram a confiança na Fretilin, a primeira volta demonstrou que nenhum outro partido em Timor-Leste sequer se aproxima do seu apoio.

Lembrem-se que se formou uma espécie de aliança na altura da primeira eleição Presidencial em Abril de 2002, quando a Fretilin concordou em apoiar Xanana Gusmão, desde que ele concorresse como independente. A única oposição a Xanana veio de Francisco Xavier do Amaral da ASDT (Associação Social Democrata Timorense). A Fretilin já tinha ganho uma maioria absoluta nas eleições em Agosto de 2001 para a assembleia constituinte que se tornaram o primeiro parlamento da nação.

Anterior à crise de 2006, um feito político maior foi a efectiva combinação da visão estratégica da Fretilin de Alkatiri, o carisma de Xanana e a diplomacia de Ramos Horta. Apesar de um pequeno orçamento (aumentou em 2007, com os rendimentos do petróleo) começaram as instituições de um Estado moderno, expandiram a educação, reabilitaram os seus campos de arroz, desenvolveram um programa de saúde muito importante e recuperaram vários biliões de dólares em rendimentos do petróleo e do gás das garras dos Governo Howard.

Alkatiri atraiu a maioria da hostilidade Australiana, particularmente por causa das negociações prolongadas sobre o petróleo e o gás. Ramos Horta era o elo fraco. Detalhei noutros escritos (Timor-Leste: a segunda intervenção Australiana) como ele tentou três compromissos, qualquer um dos quais teria agradado a Howard e a Downer mas que resultava em menos rendimentos para o seu país. Não admira que tenha emergido como o favorito dos Australianos.

Xanana manteve uma indiferença das políticas partidárias, uma postura que ajudou ao seu projecto político maior da reconciliação. Perdoou aos generais Indonésios (apesar da falta de arrependimento destes) e tentou reintegrar antigos membros das milícias nas comunidades locais.

Contudo esta indiferença evaporou-se na crise, visto que indirectamente Xanana apoiou o líder do golpe de Estado Alfredo Reinado e atacou ferozmente a Fretilin. Como Presidente pediu a resignação de Mari Alkatiri, usando um vídeo com uma cópia de um programa nefando da ABC que se baseava na palavra de um aliado de Reinado para acusar Alkatiri de armar um ‘esquadrão de ataque’ para matar os seus opositores políticos, e de já ter assassinado uma série deles. Uma investigação da ONU à crise (Relatório da Comissão Especial Independente de Inquérito da ONU para Timor-Leste’) mais tarde desacreditou esta história.

Contudo, os media Australianos, agarram-se à teoria do ‘esquadrão de ataque’, ganhando algum conforto com a acusação do antigo ministro do Interior e aliado de Alkatiri, Rogério Lobato pelo crime de distribuir armas da polícia a civis. Lobato, recorrendo da acusação, mantém que esses actos foram justificados durante a tentativa de golpe de Estado, quando a força da polícia se desintegrou.

Com o líder do golpe de Estado ainda a monte, mas aparentemente já não mais considerado uma vantagem política ou uma ameaça quer para Xanana quer para os Australianos, as políticas de Timor-Leste parecem ter regressado a uma base de certa forma mais ‘normal’. Mas é um processo político bastante mal-tratado pela violência, deslocamentos e desconfiança.

Ramos Horta pode ainda ganhar a Presidência a Lu Olo na segunda volta. Contudo isto depende mais da percepção dos eleitores do que da habilidade dos pequenos partidos da oposição em canalizar ‘blocos’ de votos, como num sistema partidário baseado em classes. Ramos Horta tem reconhecimento internacional mas Lu Olo é o candidato das ‘bases’. Muitos dos epítetos atirados contra Mari Alkatiri – que era arrogante e que esteve no exílio durante a luta – aplicam-se agora a Ramos Horta, não a Lu Olo. Em qualquer caso, uma Presidência de Ramos Horta seria um obstáculo importante a um Governo liderado pela Fretilin. Os Timorenses estão habituados a ter uma figura de proa, um Presidente não-Fretilin e um Governo Fretilin.

O salto de Xanana Gusmao da Presidência para a política partidária é um caminho muito mais incerto. O seu papel na crise e a sua aberta hostilidade anti-Fretilin hostility danificou a sua própria posição, bem como a da Fretilin. Depois do seu apoio passivo ao golpe de Estado, muita da liderança das forças armadas não confiam nele. A sua tentativa de recriar uma coligação ‘CNRT’, usando a sigla da coligação anterior que incluía a Fretilin, é uma jogada que depende de juntar uma série de pequenos partidos cujo único tema comum é a oposição à Fretilin.

Por um lado, a Fretilin sofreria da sua aparente incapacidade de garantir a estabilidade e das tentativas persistentes de culpar o governo pelo golpe de Estado. A Fretilin pode não ser capaz de reganhar a maioria absoluta parlamentar que teve desde 2001. Por outro lado, a primeira volta das Presidenciais diz-nos que a Fretilin é ainda a maior força política no país. Os seus votos podem exceder os 40% nas eleições parlamentares. A competição será entre uma coligação liderada pela Fretilin e uma coligação menos coerente liderada por Xanana.

Personalidades aparte, nem Xanana nem Ramos Horta oferecem uma estratégia alternativa à Fretilin. Obviamente, ambos participaram em muitas das campanhas lideradas pelo Governo da Fretilin, incluindo aquelas que procuraram trazer novos parceiros para o desenvolvimento (ex. China para o petróleo e gás e Cuba para a saúde). Emergiram algumas diferenças. Ramos Horta tem dito que favorece ‘maiores privilégios’ para investidores estrangeiros, e recentemente propôs uma redução radical nas taxas e impostos para os negócios. Contudo, isto aumentaria a dependência do governo nos rendimentos do petróleo e do gás. Uma sugestão recente de Xanana foi a de romper com a saída controlado dos rendimentos do Fundo do Petróleo. Assim a principal política de partida de uma coligação liderada por Ramos Horta-Xanana parece ser gastar a riqueza do petróleo muito mais rapidamente.

A Fretilin, pelo seu lado, tem um grupo de Ministros com experiência, incluindo o Vice-Primeiro-Ministro Estanislau da Silva, várias ministras de topo incluindo Maria Boavida e Ana Pessoa, uma forte máquina partidária, militância extensiva e tem mostrado as suas capacidades na construção de coligações. Mesmo com uma maioria absoluta parlamentar, a Fretilin recrutou deputados independentes, tais como o Ministro da Saúde (agora Vice-PM) Rui Araújo, a Ministra das Finanças Fernanda Borges, o Ministro da Educação Armindo Maia, o Ministro do Trabalho Arsénio Bano e o Ministro dos Estrangeiros José Ramos Horta para o Governo.

Um governo de coligação liderado pela Fretilin parece por isso vir a ser o resultado mais provável das eleições parlamentares que se aproximam do que uma coligação liderada por Xanana. É também possível o regresso de Mari Alkatiri como Primeiro-Ministro. Apenas não está ainda claro como é que a constelação de forças que depôs Alkatiri reagirá a isto. Levantaram-se expectativas com a intervenção e o golpe de Estado anti-Fretilin. Em particular, parece improvável que Xanana imagine que está a trocar a sua Presidência com o tornar-se o líder da oposição.